quinta-feira, 5 de março de 2015

PARA REDIGIR UM TEXTO


Siga os seguintes passos:

Objetividade
A objetividade consiste no uso de palavras adequadas para que o pensamento seja expresso e entendido imediatamente pelo leitor. Termos supérfluos, excesso de adjetivos, ideias e vocábulos repetidos devem ser eliminados, pois comprometem a eficácia do documento.
 Use linguagem objetiva e clara.
 Seja preciso.
 Evite palavras desgastadas pelo uso.

Concisão
O texto conciso é aquele que transmite o máximo de informações com o mínimo de palavras.
Resulta de um trabalho de reflexão (o que escrever?) e de elaboração (como escrever?), concentrando-se na essência da mensagem.
 Empregue frases curtas.
 Evite acúmulo de ideias em um só parágrafo.
 Refaça o texto até encontrar um resultado agradável.
Ex: O número cada vez maior de separações tem alarmado as autoridades governamentais.
Se disséssemos essa mesma frase, porém acrescentando-lhe uma carga informativa desnecessária, uma série de termos inúteis que, por só enfeitarem, são plenamente dispensáveis, teríamos um estilo prolixo e não conciso:

A partir deste século, o número cada vez maior e, por isso mesmo, mais alarmante de separações, flagelo irrecuperável da família moderna, tem alarmado autoridades governamentais, guardiãs perenes do bem-estar social, principalmente, pelas sequelas traumatizantes produzidas nos filhos e pela decadência moral da sociedade, tendo em vista ser a família o esteio e a célula-mater dessa mesma sociedade.
Analisaremos, a seguir, por que o texto contém muitas afirmações desnecessárias:

a)      A partir deste século-expressão desnecessária, porque não estamos historiando o fato. O nosso objetivo é dizer que isso preocupa alguém.;
b)      ... e, por isso mesmo, mais alarmante... –expressão desnecessária, porque, logo a seguir, se fala sobre isso;
c)       ... flagelo irrecuperável da família moderna...- expressão de mau gosto, desnecessária, porque vazia de conteúdo e com dois termos supérfluos: irrecuperável ( sendo um flagelo, já não se pode esperar qualquer recuperação...) e moderna ( se já foi dito que é a partir deste século, o termo “moderno” torna-se desnecessário);
d)      ... guardiãs perenes do bem-estar social...- outra expressão chavão e deselegante, além de servir de explicação desnecessária;
e)      Principalmente pelas sequelas etc. Aqui temos uma série de termos e explicações que só servem para encher papel, não devem, portanto, ser escritas ou ditas.

Clareza
O texto claro possibilita a imediata compreensão pelo leitor. O autor fará uso de língua padrão, de entendimento geral, com formalidade e padronização, para a uniformidade dos textos.
Para atingir a clareza é necessária a observação de alguns fatores: pontuação correta, boa disposição das palavras na frase, precisão vocabular, evitar ambiguidade causada pelos pronomes possessivos, relativos etc.
A negligência desses fatores, pode redundar em mensagens defeituosas:
a)      Eu, parece-me que o rapaz que eu fui ao escritório dele na semana passada, é fã ardoroso do grêmio ( pensamento confuso, ideias desordenadas)
b)      Vendem-se cobertores para casal de lã ( má disposição das palavras na frase)
c)       A ordem do ministro que veio de Brasília( ambiguidade do pronome relativo que)

Precisão
É o emprego da palavra exata para expressar uma ideia, com conotações próprias, que melhor se ajuste àquilo que desejamos e precisamos exprimir.
 Escreva parágrafos curtos e sem muitos pormenores.
 Escreva somente sobre aquilo que conhece bem.
 Ajuste as mensagens ao leitor.
 Consulte o dicionário sempre que necessário.

Polidez
É o uso de expressões respeitosas e tratamento apropriado àqueles com os quais nos relacionamos no trato administrativo. As expressões vulgares provocam mal-estar, assim como os tratamentos irreverentes, a intimidade, a gíria, a banalidade, a ironia e as leviandades.
 Empregue, sem abuso, os adjetivos.
 Use termo técnico, (jargão) somente quando se justificar pelo assunto.
 Evite o excesso de interjeições e exclamações.
 Seja conciso.

Harmonia
O ajuste das palavras na frase e das frases no período resulta em combinações harmônicas, que predispõem o leitor à proposta apresentada. São prejudiciais à harmonia: os cacófatos (palavras obscenas ou inconvenientes resultantes do encontro de sílabas finais com sílabas iniciais), as assonâncias (semelhança ou igualdade de sons na frase ou no período) e os ecos (repetição sucessiva de finais idênticos).
 Procure a palavra adequada para evitar locuções verbais.
 Evite as expressões: efetivamente, certamente, além disso, tanto mais, então, por um lado, por outro lado, definitivamente, a dizer a verdade, a verdade é a seguinte, por sua parte, por seu outro lado.
 Use um parágrafo para cada ideia.

CORREÇÃO DE UM TEXTO
Correção
A correção consiste no respeito às normas e aos princípios do idioma e às regras gramaticais e ortográficas. Devem ser evitados: erros de sintaxe, erros na forma das palavras, a troca de palavras parecidas, emprego abusivo de palavras e expressões estrangeiras, emprego de palavras e expressões antiquadas e as palavras novas, cujo sentido é ainda instável.
 Preocupe-se com a clareza da mensagem.
 Evite períodos longos.
 Use a ordem direta para facilitar o entendimento.

Revisão
A versão definitiva de um texto se obtém após uma leitura minuciosa, adequando a forma ao conteúdo e respeitando criteriosamente a estética, o estilo (clareza e precisão), a estrutura (sequência, ordenação, coesão e coerência) e a gramática (ortografia, acentuação,  concordância, regência, crase e pontuação).
·         Roteiro para a revisão do texto
A composição é lida com facilidade?
 Está bem equilibrada?
Os pontos principais foram devidamente enfatizados?
 Faltou alguma coisa essencial?
Existem erros de coerência lógica ou erros de ortografia?
O significado de cada sentença está claro?
As sentenças longas estão bem organizadas?

CONSTRUÇÃO DA FRASE E DO PARÁGRAFO
A frase
Para GARCIA (1985, p. 6), frase é todo enunciado suficiente por si mesmo para estabelecer comunicação. Pode expressar um juízo, indicar uma ação, estado ou fenômeno, transmitir um apelo, uma ordem ou exteriorizar emoções. As frases, geralmente, integram dois termos, o sujeito e o predicado.
TIPOS DE FRASE
Classificação tradicional.
Tradicionalmente, as frases são classificadas da seguinte forma:
Frase interrogativa –é aquela  através da qual se pergunta algo, direta ou indiretamente.
                Frase interrogativa direta-com ponto de interrogação
Exemplos:
                Que horas são?
                Por que chegaste tão tarde?
                Como vais?
Frase interrogativa indireta- sem ponto de interrogação
Exemplos:
                Gostaria de saber que horas são.
                Perguntou-me quando vinha.
Frase declarativa-é aquela através da qual se enuncia algo, de forma afirmativa ou negativa.
Frase declarativa afirmativa
Exemplo:
Deus é bom.
Paulo parece inteligente.

Frase declarativa negativa
Exemplos:
                Não gosto de pessoas mal educadas.
                Nunca te esquecerei
Frase imperativa-é aquela através da qual expressamos uma ordem, pedido ou súplica, de forma afirmativa ou negativa.
Exemplos
Tende piedade de nós!( afirmativa)
Levanta-te! (afirmativa)
Não corra, não mate, não morra! ( negativa)
Não cometa imprudências!(negativa)
Frase optativa-é aquela através da qual se exprime um desejo.
Exemplos:
Desejo que sejas muito feliz.
Bons ventos te levem!

Frase exclamativa-é aquela através da qual externamos uma admiração
Exemplo:
Que calor!
Bem feito!

Escreva sempre obedecendo a um raciocínio lógico.
Não acumule numa só frase pensamentos que não têm muita relação entre si e com os quais se possam formar algumas frases separadas.
As ideias de um texto devem ser amarradas de tal jeito que o leitor não possa fugir delas, abandoná-las, encontrar buracos ou redundâncias.

O parágrafo
Garcia (1985, p. 203) conceitua o parágrafo como “uma unidade de composição, constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve ou se explana determinada ideia central a que geralmente se agregam outras secundárias, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela”.
A cada parágrafo do texto deve corresponder uma ideia central a ser desenvolvida. O texto, portanto deverá conter, em princípio, tantos parágrafos quantas forem as ideias centrais. O parágrafo comporta, no seu desenvolvimento, ideias secundárias, que deverão estar  intimamente relacionadas entre si e com a ideia central.

Em sua estrutura, o parágrafo geralmente apresenta três partes:
a) tópico frasal – consiste, geralmente, na frase inicial, que expressa, de maneira sucinta, a ideia central do parágrafo;
b) desenvolvimento – é formado pelas frases que esclarecem essa ideia central, discutindo-a em detalhes;
c) conclusão – esta contida em uma frase final. Que enuncia a parte mais interessante ou o clímax do parágrafo, ou ainda, que sintetiza o conteúdo.
Exemplo:

Tópico frasal
A eletricidade, desde o início da civilização industrial, esteve associada ao progresso.
Desenvolvimento
O cidadão medianamente informado percebe a conexão entre a atividade econômica de uma comunidade ou país e a disponibilidade de energia. Já na primeira metade deste século analistas alertavam para a razão, praticamente constante, que existe entre o consumo de energia e o produto interno bruto em cada país.
Conclusão
Todavia, a eletricidade sempre mereceu um destaque especial, pois está, objetivamente ou  não, ligada a uma aspiração de modernidade e de poder.
Dicas gerais para uma boa redação:
reúna todos os dados necessários antes de escrever;
vá direto ao assunto;
seja conciso;
não use metáforas (ex.: no coração do governo municipal), analogias ou
outras figuras de estilo;
não empregue a voz passiva se for possível usar a voz ativa;
evite locuções estrangeiras, termos técnicos ou jargão;
para ideias novas, utilize parágrafo novo;
coloque-se no lugar do leitor; observe o nível da linguagem;
redija com precisão vocabular;
seja claro: não deixe margem à interpretação ambígua;
atente para a pontuação;
trate todas as pessoas com a máxima cortesia;
responda sem demora à correspondência recebida;
se é preciso apresentar queixas, evite o tom ofensivo, que pode resultar em reações indesejáveis e prejudiciais;
em vez de censurar, peça explicações.


Exercícios de escrita são um ótimo caminho para melhorar suas habilidades na produção textual e até gerar novas ideias para futuros trabalhos. Eles podem também dar-lhe uma nova perspectiva do seu projeto atual. Um dos grandes benefícios de exercícios particulares é que você pode se sentir livre do medo ou perfeccionismo.
Para tornar-se um escritor é importante às vezes escrever sem a expectativa de publicação. Não se preocupe se sair imperfeito, para isso que serve a prática. O que você escrever em qualquer um desses exercícios, pode não ser o seu melhor trabalho, mas é uma boa prática para quando você precisar escrever melhor.
1.    Escolha dez pessoas que você conhece e escreva uma frase descrevendo cada uma.
2.    Grave 5 minutos do rádio (ou de algo que você ouve). Escreva o diálogo e adicione descrições narrativas dos falantes e suas ações, como se estivesse montando uma cena.
3.    Escreva uma auto-biografia com cerca de 500 palavras.
4.    Escreva seu testamento. Liste todas as realizações de sua vida. Você pode escrever como se você fosse morrer hoje, ou daqui a 50 anos.
5.    Faça uma descrição de seu banheiro, em 300 palavras.
6.    Escreva uma entrevista fictícia com você mesmo, uma figura famosa, com um caráter também ficcional. Faça isso de uma forma apropriada (ou inapropriada), como se fosse para uma revista famosa, como a Veja, Época, Galileu etc.
7.    Pegue um jornal ou folheto de supermercado, olhe os artigos e escolha um que possa ser base para uma cena ou história que você queira escrever.
8.    Mantenha um diário de caráter fictício.
9.    Pegue uma parte de um livro e reescreva em um estilo diferente, como um romance gótico, de ficção ou ainda uma história de terror.
10. Escolha um autor, que não necessariamente precise ser seu favorito, e escreva sobre o que você acha da forma como ele escreve. Faça isso sem consultas primeiramente, só depois de terminado, releia algumas de suas obras e veja se esqueceu algo e, se preciso, mude seu texto. Analise quais elementos do estilo dele você pode adicionar ao seu próprio e quais elementos você não pode (ou não quer) adicionar. Lembre que seu estilo é único e que você deve apenas pensar em adicionar elementos a ele. Nunca tente imitar alguém por mais de um ou dois exercícios.
11. Pegue um texto que você tenha escrito em primeira pessoa e reescreva-o em terceira pessoa, ou vice-versa. Você também pode tentar fazê-lo mudando o tempo verbal, narração, ou outros elementos estilísticos. Não faça isso com um livro inteiro, só com pequenos trechos. Depois de escrever um livro, nunca olhe para trás para tentar reestilizá-lo, senão você vai gastar todo seu tempo reescrevendo coisas, ao invés de escrever algo novo.
12. Tente relembrar da sua mais tenra infância. Escreva tudo que puder lembrar. Reescreva como uma cena, usando sua perspectiva atual ou, se conseguir, usando a perspectiva da idade que você tinha.
13. Relembre um antigo argumento que você usou com alguma pessoa. Escreva sobre o argumento do ponto de vista dessa pessoa. Lembre-se que a ideia é ver o argumento daquela perspectiva, não da sua própria. Este é um exercício que pode ser feito oralmente. Nunca julgue se você está certo ou errado.
14. Escreva uma descrição, com no máximo 200 palavras, de algum lugar. Você pode usar quaisquer elementos sensoriais, descreva como se sente, como são os sons, os cheiros e sabores de lá. Tente fazer uma descrição de forma que as pessoas não percam os detalhes visuais.

15. Sente em um restaurante ou uma área com bastante gente e escreva os diálogos que você ouve. Escute as pessoas ao seu redor, como elas falam e que palavras elas usam. Depois de fazer isso, pode praticar terminando seus diálogos. Escreva sua versão sobre como as conversas continuam.

Fonte:
http://www.lendo.org/
http://www.brasilescola.com/