domingo, 14 de dezembro de 2014

Exercícios - Denotação e Conotação

  • Questão 1

    Atenha-se a uma leitura minuciosa do texto em evidência e, em seguida, responda ao que se pede:

    Metáfora
    Uma lata existe para conter algo
    Mas quando o poeta diz: "Lata"
    Pode estar querendo dizer o incontível

    Uma meta existe para ser um alvo
    Mas quando o poeta diz: "Meta"
    Pode estar querendo dizer o inatingível

    Por isso, não se meta a exigir do poeta
    Que determine o conteúdo em sua lata
    Na lata do poeta tudo nada cabe
    Pois ao poeta cabe fazer
    Com que na lata venha caber
    O incabível

    Deixe a meta do poeta, não discuta
    Deixe a sua meta fora da disputa
    Meta dentro e fora, lata absoluta
    Deixe-a simplesmente metáfora

                              Gilberto Gil
                                         Composição: Gilberto Gil - 1982
    * Levando-se em consideração os sentidos expressos pela linguagem, comente acerca do discurso presente na criação de Gilberto Gil.

  • Questão 2
    Aos estabecermos familiaridade com os enunciados linguísticos subsequentes, notamos que estes integram determinadas circunstâncias comunicativas presentes na linguagem cotidiana. Assim sendo, analise-os levando-se em consideração o sentido contextual por eles expresso.
    A garota está com a pulga atrás da orelha.
    Nossa! Fulano é uma cobra!
    Não posso fazer mais compomisso, pois estou com a corda no pescoço.

  • Questão 3
    Explicite seus conhecimentos sobre o emprego da linguagem conotativa e denotativa mediante os discursos manifestados nas situações de interlocução.

  • Questão 4
    Frente a uma análise dos excertos ora demarcados, depreende-se que os trechos nos quais o autor se propôs ao emprego da linguagem conotativa podem ser identificados por:

                            I
    Amor é fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer.


    É um não querer mais que bem querer;
    É um andar solitário entre a gente;
    É nunca contentar-se de contente;
    É um cuidar que se ganha em se perder.


    É querer estar preso por vontade
    É servir a quem vence o vencedor,
    É ter com quem nos mata lealdade.


    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade;
    Se tão contrário a si é o mesmo amor?

                                                    Luís de Camões
    II

    Os poemas

    Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam voo
    como de um alçapão.
    Eles não têm pouso
    nem porto
    alimentam-se um instante em cada par de mãos
    e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
    no maravilhoso espanto de saberes
    que o alimento deles já estava em ti...
                     Mário Quintana
    III

    Cortar o tempo
    Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
    a que se deu o nome de ano,
    foi um indivíduo genial.
    Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
    Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
    Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.
                                                     Carlos Drummond de Andrade

  • Questão 5
    Partindo-se do pressuposto de que a linguagem é expressa por diferentes sentidos em um dado contexto, atribua aos exemplos em questão os códigos mencionados:
    ( D ) denotação
    ( C ) conotação 

    a -  (   )
    Horário de verão começa à meia-noite deste sábado.
    Relógios devem ser adiantados em uma hora no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.
    Expectativa é de redução de 5% na demanda de energia no horário de pico.http://g1.globo.com/brasil/noticia/2010/10/horario-de-verao-comeca-meia-noite-deste-sabado.html

    b – (     )

    c – (   )

    Memória
    Amar o perdido
    deixa confundido
    este coração.

    Nada pode o olvido
    contra o sem sentido
    apelo do Não.

    As coisas tangíveis
    tornam-se insensíveis
    à palma da mão

    Mas as coisas findas
    muito mais que lindas,
    essas ficarão.
    Carlos Drummond de Andrade

    d – (     )
    A camada de ozônio, o escudo que protege a vida na Terra dos níveis nocivos de radiação ultravioleta, manteve-se estável na última década, conforme estudo elaborado pela Organização Mundial da Meteorologia (OMM) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), divulgado nesta quinta-feira.
                                                                                                       [...]                                                       (Fonte: Folha de São Paulo, 16/09/2010)

Gabarito
Resposta Questão 1
Tão logo estabelecemos contato com o texto, constatamos que o autor estabelece um jogo de sentido entre o vocábulo “lata” que, de acordo com seu sentido denotativo, representa um recipiente que utilizamos para “depositar” algo. Aplica-lhe, sobretudo, um sentido conotativo, uma vez que em se tratando da criação imaginativa do poeta, essa lata tudo pode comportar, como nos revelam os fragmentos:
Na lata do poeta tudo nada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível
[...]

Diante de tais elucidações, concluímos que se trata da metáfora referente à própria criação poética, como literalmente expressa por meio do título.

Resposta Questão 2
A linguagem conotativa encontra-se demarcada não somente em textos publicitários e na linguagem poética, mas também na linguagem cotidiana de uma forma geral, dada a nossa forte carga de expressividade e afetividade. Assim, por meio dos enunciados constatamos que o sentido expresso no primeiro é revelado por temor, medo de algo que possa vir a acontecer. O segundo retrata o sentido de uma pessoa má, portadora de atitudes abomináveis, e o terceiro representa algo relacionado a uma sobrecarga de compromissos financeiros.

Resposta Questão 3
O sentido expresso pelas palavras está relacionado, primeiramente, à noção de significado e significante, sendo este identificado pela materialização da palavra propriamente dita, ou seja, as letras e os sons que ela representa; e aquele pela parte concreta, isto é, o significado, remetendo-nos a uma imagem mental, representativa.
Dessa forma, temos que uma mesma palavra pode adquirir diferentes significados, dependendo do contexto em que se encontrar inserida, visto que na linguagem conotativa o sentido deixa de ser convencional e passa a adquirir múltiplos sentidos, dadas as diferentes interpretações que se atribuem a estes. Quanto ao emprego, sua incidência se dá por meio da  linguagem publicitária e da linguagem literária como um todo. 
Já o sentido denotativo, real, faz parte dos textos informativos, científicos e didáticos como um todo, pois a objetividade representa a principal característica.

Resposta Questão 4
Texto I

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
[...]
É um andar solitário entre a gente;
[...]
É querer estar preso por vontade
-------------------------------------------
Texto II
Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
-------------------------------------------------------
Texto III
Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
[...]
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Resposta Questão 5
D; C; C; D.

Exercícios - Linguagem Verbal e Não Verbal


Testando seus conhecimentos!
Bons Estudos
  • Questão 1
    (UERJ)
    Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o The New York Times
    Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o The New York Times
    No cartum apresentado, o significado da palavra escrita é reforçado pelos elementos visuais, próprios da linguagem não verbal. A separação das letras da palavra em balões distintos contribui para expressar principalmente a seguinte ideia:
    a) dificuldade de conexão entre as pessoas
    b) aceleração da vida na contemporaneidade
    c) desconhecimento das possibilidades de diálogo
    d) desencontro de pensamentos sobre um assunto

  • Questão 2
    Nos quadrinhos, o uso simultâneo das linguagens verbal e não verbal contribui para a construção de sentidos do texto
    Nos quadrinhos, o uso simultâneo das linguagens verbal e não verbal contribui para a construção de sentidos do texto
    Na tira do cartunista argentino Quino, utilizam-se recursos gráficos que lembram o cinema.
    A associação com a linguagem artística do cinema, que lida com o movimento e com o instrumento da câmera, é garantida pelo procedimento do cartunista demonstrado a seguir:
    a) ressaltar o trabalho com a vassoura para sugerir ação.
    b) ampliar a imagem da mulher para indicar aproximação.
    c) destacar a figura da cadeira para indiciar sua importância.
    d) apresentar a sombra dos personagens para sugerir veracidade.

  • Questão 3
    Tirinha Garfield, de Jim Davis
    Tirinha Garfield, de Jim Davis
    Sobre a tirinha de Garfield, é correto afirmar que:
    a) A linguagem verbal é o elemento principal para o entendimento da tirinha.
    b) O uso da linguagem verbal não faz diferença para a compreensão da tirinha.
    c) O uso simultâneo das linguagens verbal e não verbal colabora para o entendimento da tirinha.
    d) A sequência cronológica dos fatos relatados nas imagens não influencia na compreensão da tirinha.

  • Questão 4
    Sobre as linguagens verbal e não verbal, é INCORRETO afirmar que:
    a) A linguagem verbal utiliza qualquer código para se expressar, enquanto a linguagem não verbal faz uso apenas da língua escrita.
    b) São utilizadas para criar atos de comunicação que nos permitem dizer algo.
    c) A linguagem não verbal é aquela que utiliza qualquer código que não seja a palavra, enquanto a linguagem verbal utiliza a língua, seja oral ou escrita, para estabelecer comunicação.
    d) Linguagem verbal e não verbal, quando simultâneas, colaboram para o entendimento do texto.

  • Questão 5
    Gráficos são exemplos de utilização simultânea das linguagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrências para a compreensão do texto
    Gráficos são exemplos de utilização simultânea das linguagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrências para a compreensão do texto
    Nos gráficos, os elementos visuais e os elementos textuais são fundamentais para o entendimento total da mensagem transmitida. No gráfico em questão, a linguagem verbal e a linguagem não verbal têm como intenção mostrar ao leitor que:
    a) O número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos diminuiu em um período de cinco anos.
    b) O número de pessoas acima de 60 anos que estão inseridas no mercado de trabalho é proporcionalmente inverso à quantidade de pessoas que se casam nessa faixa etária.
    c) Apresenta dados para o leitor que comprovam o aumento no número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos, assim como o aumento da inserção de pessoas acima de 60 anos no mercado de trabalho.
    d) Apresenta a preocupação com a diminuição no número de casamentos entre pessoas de várias faixas etárias da população brasileira, assim como a dificuldade dessas pessoas para conseguir emprego no mercado de trabalho.

Gabarito

Resposta Questão 1
Alternativa “a”. Observe que no cartum os elementos visuais e textuais estão combinados, portanto, ambos são necessários para a sua compreensão. As letras da palavra “solidão” aparecem em diferentes balões pertencentes a personagens também distintos, reforçando a ideia de que nenhum tipo de comunicação é estabelecido entre eles. Os personagens caminham em sentidos opostos, o que denota a dificuldade que os seres humanos têm de se conectarem.

Resposta Questão 2
Alternativa “b”. Para o melhor entendimento da questão, é preciso observar todos os elementos presentes nos quadrinhos, entre eles, as linguagens verbal e não verbal. A linguagem não verbal é representada pelos recursos gráficos utilizados pelo cartunista, com destaque para a imagem da mulher que, à medida que a história é contada, sofre ampliação, simulando o efeito de close muito utilizado no cinema.

Resposta Questão 3
 Alternativa “c”. Apesar da predominância da linguagem não verbal, a linguagem verbal colabora para a construção de sentidos da tirinha.

Resposta Questão 4
Alternativa "a".

Resposta Questão 5
Alternativa “c”. A intenção do gráfico é demonstrar o aumento no número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos em relação ao número de casamentos da população brasileira fora dessa faixa etária, assim como o aumento da população acima de 60 anos no mercado de trabalho.


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Exercícios - Funções da linguagem


Questões:

01. Reconheça nos textos a seguir, as funções da linguagem:
a) "O risco maior que as instituições republicanas hoje correm não é o de se romperem, ou serem rompidas, mas o de não funcionarem e de desmoralizarem de vez, paralisadas pela sem-vergonhice, pelo hábito covarde de acomodação e da complacência. Diante do povo, diante do mundo e diante de nós mesmos, o que é preciso agora é fazer funcionar corajosamente as instituições para lhes devolver a credibilidade desgastada. O que é preciso (e já não há como voltar atrás sem avacalhar e emporcalhar ainda mais o conceito que o Brasil faz de si mesmo) é apurar tudo o que houver a ser apurado, doa a quem doer." (O Estado de São Paulo)

b) O verbo infinitivo
     Ser criado, gerar-se, transformar
     O amor em carne e a carne em amor; nascer
     Respirar, e chorar, e adormecer
     E se nutrir para poder chorar

     Para poder nutrir-se; e despertar
     Um dia à luz e ver, ao mundo e ouvir
     E começar a amar e então ouvir
     E então sorrir para poder chorar.

     E crescer, e saber, e ser, e haver
     E perder, e sofrer, e ter horror
     De ser e amar, e se sentir maldito

     E esquecer tudo ao vir um novo amor
     E viver esse amor até morrer
     E ir conjugar o verbo no infinito... (Vinícius de Morais)

c) "Para fins de linguagem a humanidade se serve, desde os tempos pré-históricos, de sons a que se dá o nome genérico de voz, determinados pela corrente de ar expelida dos pulmões no fenômeno vital da respiração, quando, de uma ou outra maneira, é modificada no seu trajeto até a parte exterior da boca." (Matoso Câmara Jr.)

d) " - Que coisa, né?
       - É. Puxa vida!
       - Ora, droga!
       - Bolas!
       - Que troço!
       - Coisa de louco!
       - É!"

e) "Fique afinado com seu tempo. Mude para Col. Ultra Lights."

f) "Sentia um medo horrível e ao mesmo tempo desejava que um grito me anunciasse qualquer acontecimento extraordinário. Aquele silêncio, aqueles rumores comuns, espantavam-me. Seria tudo ilusão? Findei a tarefa, ergui-me, desci os degraus e fui espalhar no quintal os fios da gravata. Seria tudo ilusão?... Estava doente, ia piorar, e isto me alegrava. Deitar-me, dormir, o pensamento embaralhar-se longe daquelas porcarias. Senti uma sede horrível... Quis ver-me no espelho. Tive preguiça, fiquei pregado à janela, olhando as pernas dos transeuntes." (Graciliano Ramos)

g) " - Que quer dizer pitosga?
       - Pitosga significa míope.
       - E o que é míope?
       - Míope é o que vê pouco."


02. No texto abaixo, identifique as funções da linguagem:

 "Gastei trinta dias para ir do Rossio Grande ao coração de Marcela, não já cavalgando o corcel do cego desejo, mas o asno da paciência, a um tempo manhoso e teimoso. Que, em verdade, há dois meios de granjear a vontade das mulheres: o violento, como o touro da Europa, e o insinuativo, como o cisne de Leda e a chuva de ouro de Dânae, três inventos do padre Zeus, que, por estarem fora de moda, aí ficam trocados no cavalo e no asno." (Machado de Assis)


03. Descubra, nos textos a seguir, as funções de linguagem:

a) "O homem letrado e a criança eletrônica não mais têm linguagem comum." (Rose-Marie Muraro)

b) "O discurso comporta duas partes, pois necessariamente importa indicar o assunto de que se trata, e em seguida a demonstração. (...) A primeira destas operações é a exposição; a segunda, a prova." (Aristóteles)

c) "Amigo Americano é um filme que conta a história de um casal que vive feliz com o seu filho até o dia
em que o marido suspeita estar sofrendo de câncer."

d) "Se um dia você for embora
      Ria se teu coração pedir
      Chore se teu coração mandar." (Danilo Caymmi & Ana Terra)

e) "Olá, como vai?
      Eu vou indo e você, tudo bem?
      Tudo bem, eu vou indo em pegar um lugar no futuro e você?
      Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono tranqüilo..." (Paulinho da Viola)



Texto para as questões 04 e 05
Poética
Que é poesia?
uma ilha
cercada
de palavras
por todos os lados
Que é um poeta?
um homem
que trabalha um poema
com o suor do seu rosto
Um homem
que tem fome
como qualquer outro
homem.      
(Cassiano Ricardo)

04. Quais as funções da linguagem predominantes no poema anterior?


05. Aponte os elementos que integram o processo de comunicação em Poética, de Cassiano Ricardo.


06. Historinha I

   
Historinha II

 
Qual a função da linguagem comum às duas historinhas?
 
07. (CESUPA - CESAM - COPERVES) Segundo o lingüísta Roman Jakobson, "dificilmente lograríamos (...) encontrar mensagens verbais que preenchem uma única função... A estrutura verbal de uma mensagem depende basicamente da função predominante".

 "Meu canto de morte
Guerreiros, ouvi.
Sou filho das selvas
Nas selvas cresci.
Guerreiros, descendo
Da tribo tupi.
Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante.
Guerreiros, nasci:
Sou bravo, forte,
Sou filho do Norte
Meu canto de morte,     
Guerreiros, ouvi."
(Gonçalves Dias)
  
Indique a função predominante no fragmento acima transcrito, justificando a indicação.


08. (PUC - SP)
"Com esta história eu vou me sensibilizar, e bem sei que cada dia é um dia roubado da morte. Eu não sou um intelectual, escrevo com o corpo. E o que escrevo é uma névoa úmida. As palavras são sons transfundidos de sombras que se entrecruzam desiguais, estalactites, renda, música transfigurada de órgão. Mal ouso clamar palavras a essa rede vibrante e rica, mórbida e obscura tendo como contratom o baixo grosso da dor. Alegro com brio. Tentarei tirar ouro do carvão. Sei que estou adiando a história e que brinco de bola sem bola. O fato é um ato? Juro que este livro é feito sem palavras. É uma fotografia muda. Este livro é um silêncio. Este livro é uma pergunta." (Clarice Lispector)
  
A obra de Clarice Lispector, além de se apresentar introspectiva, marcada pela sondagem de fluxo de
consciência (monólogo interior), reflete, também, uma preocupação com a escritura do texto literário.

Observe o trecho em questão e aponte os elementos que comprovam tal preocupação.
  

09. (FATEC) O senão do livro

COMEÇO a arrepender-me deste livro. Não que ele me canse; eu não tenho que fazer; e, realmente, expedir alguns magros capítulos para esse mundo sempre é tarefa que distrai um pouco da eternidade. mas o livro é enfadonho, cheira a sepulcro, traz certa contração cadavérica, vício grave, e aliás ínfimo, porque o maior defeito deste livro és tu, leitor. Tu tens pressa de envelhecer, e o livro anda devagar; tu amas a narração direta e nutrida, o estilo regular e fluente, e este livro e o meu estilo são como os ébrios, guinam à direita e à esquerda, andam e param, resmungam, urram, gargalham, ameaçam o céu, escorregam e caem...
Este trecho revela o estilo de:
  
a) MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA, ao usar uma linguagem apelativa, direcionada à reflexão

crítica da obra romântica.


b) GRACILIANO RAMOS, ao revelar a quebra da ordem cronológica da narrativa de suas obras, 
como reflexo coerente da instabilidade psicológica e espacial de suas personagens.



c) MACHADO DE ASSIS, ao questionar o leitor quanto à linha lógica e impositiva do tempo velho da
obra literária e, ao mesmo tempo, conscientizá-lo de um novo modo de ler.



d) LIMA BARRETO, ao retratar o estilo incoerente de suas personagens em seus atos de loucura.


e) CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, ao especular o tempo e a qualidade de vida do homem
(leitor) em interação com o tempo da narrativa.
  


Gabarito

01. a) função referencial                                           b) função poética
       c) funções referencial e metalingüística              d) função fática
       e) função conativa                                             f) função emotiva
       g) função metalingüística


02. Função emotiva

03. a) função referencial                                       
       b) função referencial
       c) funções referencial e metalingüística    
       d) função poética
       e) função fática


04. Funções poética e metalingüística.

05. Código, emissor e mensagem.

06. Função metalingüística, último quadro de cada historinha.
  

07. Função emotiva - predominância de 1ª pessoa.

08. Nesse fragmento de Clarice Lispector, além da preocupação introspectiva em fisgar elementos interiores, profundos, beirando uma revelação epifânica transcendental, há também a preocupação constante com a  própria escritura do texto literário, usando-se a função metalingüística.
  A discussão ou abordagem da tessitura narrativa aparece em passagens como: "As palavras são sons transfundidos de sombras que se entrecruzam desiguais, estalactites, renda, música transfigurada de órgão. Mal ouso clamar palavras a essa rede vibrante e rica (...)", "Sei que estou adiando a história e que brinco de bola sem bola. O fato é um ato? Juro que este livro é feito sem palavras (...)" e "Eu não sou um intelectual, escrevo com o corpo. E o que escrevo é uma névoa úmida".


09. C

Exercícios sobre Níveis de Linguagem

1) Os amigos F.V.S., 17 anos, M.J.S., 18 anos, e J.S., 20 anos, moradores de Bom Jesus, cidade paraibana na divisa com o Ceará, trabalham o dia inteiro nas roças de milho e feijão. “Não ganhamos salário, é ‘de meia’. Metade da produção fica para o dono da terra e metade para a gente.” (Folha de São Paulo, 1° jun. 2002)


Os jovens conversam com o repórter sobre sua relação de trabalho. Utilizam a expressão “é de meia” e, logo em seguida, explicam o que isso significa. Ao dar a explicação, eles
a) alteram o sentido da expressão.
b) consideram que o repórter talvez não conheça aquele modo de falar.
c) dificultam a comunicação com o repórter.
d) desrespeitam a formação profissional do repórter.


2) I. A língua falada é mais solta, livre, espontânea e emotiva, pois reflete contato humano direto.
II. A língua escrita é mais disciplinada, obedece às normas gramaticais impostas pelo padrão culto, dela resultando um texto mais bem elaborado.
III. A linguagem culta, eleita pela comunidade como a de maior prestígio, reflete um índice de cultura a que todos pretendem chegar.
IV. A linguagem popular é usada no cotidiano, não obedece rigidamente às normas gramaticais.

Sobre as afirmações acima:
A)apenas I e II estão corretas.
B)apenas II e III estão corretas.
C)apenas II, III e IV estão corretas.
D)apenas III e IV estão corretas.
E)todas estão corretas.


Aí, galera

        Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode imaginar um jogador de futebol dizendo ‘estereotipação’? E, no entanto, por que não?
– Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera.
– Minha saudação aos aficionados do clube aos demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos seus lares.
– Como é?
– Aí, galera.
– Quais são as instruções do técnico?
– Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea do sistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação.
– Ahn?
– É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça.
– Certo. Você quer dizer mais alguma coisa?
– Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmo previsível e piegas, a uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusive, genéticas?
– Pode.
– Uma saudação para a minha genitora.
– Como é?
– Alô, mamãe!
– Estou vendo que você é um, um...
– Um jogador que confunde o entrevistador, pois não corresponde à expectativa de que o atleta seja um ser algo primitivo com dificuldade de expressão e assim sabota a estereotipação?
– Estereoquê?
– Um chato?
– Isso.
(VERISSIMO, Luis Fernando. In: Correio Brasiliense, 12/maio/1998.)

3) O texto mostra uma situação em que a linguagem usada é inadequada ao contexto. Considerando as diferenças entre língua oral e língua escrita, assinale a opção que representa também uma inadequação da linguagem usada ao contexto:
a) “O carro bateu e capotô, mas num deu pra vê direito.” (Um pedestre que assistiu ao acidente comenta com o outro que vai passando.)
b) “E aí, ô meu! Como vai essa força?” (Um jovem que fala para um amigo.)
c) “Só um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma observação.” (Alguém comenta em um reunião de trabalho.)
d) “Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de secretária executiva desta conceituada empresa.” (Alguém que escreve uma carta candidatando-se a um emprego.)
e) “Porque se a gente não resolve as coisas como têm que ser, a gente corre o risco de termos, num futuro próximo, muito pouca comida nos lares brasileiros.” (Um professor universitário em um congresso internacional.)

4) Em todas as alternativas há marcas de oralidade, isto é, expressões típicas da linguagem falada, exceto:
A)Se você ficar olhando pra ela feito bobo, a manga cai em cima de sua cabeça.
B)“Peraí, mãe. Acho que tô a ponto de desmaiar.”
C)As variações da língua de ordem geográfica são chamadas de regionalismos.
D)“Dizque um chega, logo dão terra pra ele cultivar... É lavoura de café...”
E)“Engraçadinho de uma figa! Como você se chama?”

5) “É bom quando a gente volta da escola, não tem nada de bom passando na TV normal, aí a gente pega e liga a TV a cabo, que tem sempre alguma coisa boa pra ver.” (Sérgio Cleto Jr.)

“Tem um monte de esportes que eu adoro, principalmente futebol e tênis.” (Diego Derenzo)

Sobre as falas acima, pode-se afirmar que:
A)são exemplos do padrão culto da língua.
B)representam o uso da linguagem vulgar, pois refletem a pouca cultura de quem emitiu as mensagens.
C)são construções típicas do português falado, ou seja, da linguagem coloquial.
D)ferem claramente as normas gramaticais, não desempenhando seu papel comunicativo.
E)representam um tipo de linguagem comum em textos literários e poéticos.

6) “A gíria desceu o morro e já ganhou rótulo de linguagem urbana. A gíria é hoje o segundo idioma do brasileiro. Todas as classes sociais a utilizam.”  (Karme Rodrigues)

Assinale a alternativa em que não se emprega o fenômeno linguístico tratado no texto.
A)Aladarque Cândido dos Santos, enfermeiro, apresentou-se como voluntário para a missão de paz. Não tinha nada a ver com o pato e morreu em terra estrangeira envergando o uniforme brasileiro.
B)Uma vez um passageiro me viu na cabine, não se conteve e disse: “Como você se parece com a Carolina Ferraz!”
C)Chega de nhenhenhém e blablablá, vamos trabalhar.
D)Há muitos projetos econômicos visando às classes menos favorecidas, mas no final quem dança é o pobre.
E)Cara, se, tipo assim, seu filho escrever como fala, ele tá ferrado.

7) Assinale a alternativa em que não se verifica o uso de linguagem coloquial:
A)“— Que há?
    — Abra a porta pra mim entrar.” (Mário de Andrade)
B)“Não quero mais o amor, / Nem mais quero cantar a minha terra. / Me perco neste mundo.” (Augusto Frederico Schmidt)
C)"Quando oiei a terra ardendo / Quá foguera de São João” (Luiz Gonzaga)
D)“— Qué apanhá sordado? / — O quê? / — Qué apanhá? / Pernas e braços na calçada.”
(Oswald de Andrade)
E)“Dê-me um cigarro / Diz a gramática / Do professor e do aluno / E do mulato sabido” (Oswald de Andrade)

8) Há exemplo de registro coloquial no seguinte trecho:
A)O verdadeiro autor da peça foi o escritor de discursos presidenciais H. Daryl.
B)Cem mil pessoas morreram quase instantaneamente.
C)A Segunda Guerra acabou, começava a guerra fria.
D)Aconselhado por Jimmy Byrnes (secretário de Estado), o presidente queria mostrar aos soviéticos que não apenas tinha a bomba, mas tinha peito para usá-la.
E)A bordo do navio Augusta, no retorno para os EUA depois de participar da cúpula aliada em Postdam (Alemanha), Truman autorizou o bombardeio.

9) Assinale a única alternativa em que não ocorre o emprego de expressões coloquiais.
A)“Nós, enquanto isso, continuaríamos condenados a dar duro oito horas por dia...”
B)“...após seis meses, todo aposentado sobe pelas paredes e implora para voltar a trabalhar.”
C)“Os americanos, ano após ano, trabalham seis horas a mais em relação ao ano anterior.”
D)A gente achava tudo um horror.
E)Me informaram que o pessoal conseguiu se arranjar.

10) Gerente – Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo?
Cliente – Estou interessado em financiamento para compra de veículo.
Gerente – Nós dispomos de várias modalidades de crédito. O senhor é nosso cliente?
Cliente – Sou Júlio César Fontoura, também sou funcionário do banco.
Gerente – Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê tá em Brasília? Pensei que você inda tivesse na agência de Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma.
(BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola, 2004 (adaptado).

Na representação escrita da conversa telefônica entre a gerente do banco e o cliente, observa-se que a maneira de falar da gerente foi alterada de repente devido
A) à adequação de sua fala à conversa com um amigo, caracterizada pela informalidade.
B) à iniciativa do cliente em se apresentar como funcionário do banco.
C) ao fato de ambos terem nascido em Uberlândia (Minas Gerais).
D) à intimidade forçada pelo cliente ao fornecer seu nome completo.
E) ao seu interesse profissional em financiar o veículo de Júlio.


Gabarito:
1) B
2) E
3) E
4) C
5) C
6) B
7) E
8) D
9) C
10)A

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Palavra Cruzada

Palavra Cruzada

A utilização das palavras cruzadas em sala de aula tem por finalidade desenvolver entre outras habilidades a de estimular a memória. Ao fazer uso da palavra cruzada, não devemos nos preocupar com uma idade apropriada para se fazer o exercício. Pode ser usado desde a educação infantil, pois o uso dessa ferramenta pedagógica enriquece o vocabulário dos educandos, além de auxiliar na compreensão das várias disciplinas. A utilização de palavras cruzadas é feita em todas as disciplinas, inclusive em matemática. A criança consegue reconhecer os erros sozinho, pois quando sobra alguma abertura no exercício ela sabe que falta alguma coisa na escrita correta. 
As palavras cruzadas, jogo de adivinhar palavras e cruzá-las em sentido horizontal e vertical, tiveram origem no Antigo Egito e foram publicadas no Brasil, em 1925 pela primeira vez, no jornal carioca “A Noite”. 
Esse exercício é uma forma de entretenimento para algumas pessoas, porém ao serem usadas as palavras cruzadas estimulam o raciocínio. O recurso de se usar esse suporte pedagógico em sala de aula de modo lúdico, colabora para desenvolver nos estudantes escrever e compreender o sentido das palavras e sua ortografia.
A palavra cruzada tem vários subsídios importantes que colaboram no desenvolvimento do pensamento e da linguagem, além da ortografia e questões semânticas. O uso desse jogo nas escolas, também favorece e provoca o estímulo cognitivo, assim como, auxilia na compreensão e coordenação e na aprendizagem do significado das palavras.




domingo, 23 de novembro de 2014

O PhotoScape


Photoscape é um programa versátil para você trabalhar com imagens das mais variadas formas, incluindo as funções de vários softwares gráficos num único arquivo de aproximadamente 15 MB para baixar.

Para você ter uma noção do que o PhotoScape é capaz, saiba que ele reúne ferramentas de edição individual ou em massa, captura de tela, visualização, combinação, impressão, conversão e até criação de animações GIF, organizadas de uma maneira prática e voltada para atender todos os tipos de usuários.

Suas ferramentas são descomplicadas e ideais para trabalhos rápidos, não exigindo procedimentos complexos em nenhuma das seções do programa. Por isso, se você quer organizar suas fotos com facilidade e deixá-las prontas para imprimir ou guardar de um forma especial no computador, PhotoScape é uma opção leve e gratuita que você pode aproveitar.


Aula 01

Nesta primeira aula do curso será trabalhado o programa PhotoScape abordando:

  • Processo de Instalação
  • Visão Geral da Ferramenta
  • Técnica Básica de Ajustes com: Avivar, Contra a Luz e Brilho e Cor
Nesta aula você terá 3 vídeo aulas, basta segui-las neste atual post.

Como instalar o PhotoScape 



Visão Geral dos conceitos básicos


 



Aula Prática - 1º Técnica


  


Aula 02

sábado, 22 de novembro de 2014

Vestibulando Digital


Vestibulando Digital Redação

Neste DVD da Série Vestibulando Digital - Redação, São abordados temas OS de Composição e linguagem que Mais CAEM vestibulares NSA.  Todas as aulas São Dadas Pela professora de Português Sandra Franco, graduada em Letras e Direito, e com Experiência no Ensino de Língua Portuguesa Alunos de parágrafo Fazer o ensino médio, Curso pré-vestibular e ensino superior.

01. Tipos de Texto
02. Variantes Linguísticas
03. Narração 
04. Elementos da Narrativa 
05. Dissertação
06. Delimitação do Tema e Elaboração da Tese
07. Argumentação e Linguagem Dissertativa
08. Coesão e Coerência textuais 
09. E ambiguidade Paráfrase 
10. Figuras de Linguagem 
11. Figuras de Linguagem II 

12. Poesia e Prosa


Lista de DVDs de transferência


ou 

https://mega.co.nz/#F!Q4lljKjI!6n0ecw0rbmo5AhryR9q9Pg

https://mega.co.nz/#F!9l9S1R7T!nyuM6guFS-taaztAVwkqvg