domingo, 25 de maio de 2014

O modo imperativo

Na língua portuguesa, classificamos as formas verbais em três modos, segundo a maneira como expressam a ação:
  • Modo Indicativo: quando o verbo indica uma certeza, uma realidade, algo que de fato acontece, aconteceu ou acontecerá.
  • Modo Subjuntivo: quando o verbo indica dúvida, possibilidade, ou seja, não exprime certeza de que realmente a ação verbal é um fato consumado.
  • Modo Imperativo: quando o verbo indica uma ordem, um pedido, uma sugestão.
Deter-nos-emos aqui em estudar o modo verbal chamado IMPERATIVO, que expressa uma ordem, pedido, recomendação, alerta, convite, conselho, súplica, etc.
Vejamos alguns exemplos de verbos no modo imperativo para ficar mais claro o conceito deste modo verbal.
Exemplos:

  • Vamos, corram!
  • Perdoe-me, eu lhe imploro.
  • Por favor, diga-me onde fica esta praça.
  • Organizem-se rapidamente.
  • Faça o que digo, agora!

Formação do imperativo


O imperativo é formado de uma maneira diferente dos demais modos.
Notem-se duas coisas:
a) No imperativo, não existe a primeira pessoa do singular (eu).
b) O imperativo é indeterminado em tempo. Supõe-se que, como se trata de uma ordem, a ação se dará no futuro.

Imperativo Afirmativo:
  • para tu
  • pare você
  • paremos nós
  • parai vós
  • parem vocês
OBSERVAÇÕES:
a) Na segunda pessoa (Tu ou Vós) usa-se o verbo conjugado nas segundas pessoas do singular e plural, respectivamente, pertencentes ao presente do indicativo cortando-se a letra s. A exceção é o verbo "ser": sê tu, sede vós.
b) Para os pronomes você ou vocês usa-se o verbo conjugado na terceira pessoa do presente do subjuntivo.
c) Na primeira pessoa do plural (nós), usamos o verbo conjugado na primeira pessoa do plural do modo subjuntivo.

Imperativo Negativo:
  • não pares tu
  • não pare você
  • não paremos nós
  • não pareis vós
  • não parem vocês