domingo, 25 de maio de 2014

Fonética


A palavra falada é formada por combinações de unidades mínimas de som (fonemas). Na escrita, a representação do fonema ocorre através de letras. Por isso, o fonema não pode ser confundido com a letra.
Letra é a representação gráfica dos sons da fala, cuja função é representar o fonema de acordo com as normas da língua.
fonema é a menor unidade de som capaz de fazer distinção entre duas palavras.
A correspondência entre letra e som não ocorre em todas as situações, pois uma mesma letra pode representar fonemas distintos, como o x nas palavras: próximo, exato e feixe.
Mas, há casos em que letras distintas representam o mesmo som, como acontece com as palavras seco, cedo, laço e próximo.
Por fim, nota-se que uma letra pode representar mais de um fonema, como fixo, cuja leitura é "fikso", enquanto existe letra que não tem som, como o h em hora. Temos ainda os sons ora representados por uma só letra, ora por duas como xícara/chinelo, gato/guitarra e rabo/carro.
Tipos de Fonemas:
Os fonemas são classificados em vogais, consoantes e semivogais:
a) Vogais
As vogais são sons produzidos sem obstáculos para a passagem de ar, que passa livremente pela boca, oriundo do pulmão. Sua emissão é independente de outro fonema, por isso constitui a base da sílaba, as vogais são:
A - E - I - O - U
b) Consoantes
As Consoantes são os fonemas em cuja produção o ar encontra obstáculos ao passar pela boca, as consoantes são:
B - C - D - F - G - H - J - L - M - N - P - Q - R - S - T - V - X - Z
De acordo com a passagem do ar as consoantes são classificadas em orais ou nasais. As consoantes nasais da língua portuguesa são três (m, n, nh), todas as demais são orais.
c) Semivogais
As Semivogais são os fonemas de /I/ e /U/ quando, juntos de uma vogal, formam com ela uma só sílaba.
Para que exista uma semivogal três coisas têm que acontecerem ao mesmo tempo.
1.     Tem que está ao lado de uma vogal
2.     Tem que ter o som de "i" ou "u"
3.     Tem que ter o som fraco
Se uma destas três condições falhar, então não haverá semivogal e sim uma vogal.
Tipos de Fonemas:
Os fonemas são classificados em vogais, consoantes e semivogais:
As vogais são sons produzidos sem obstáculos para a passagem de ar, que passa livremente pela boca, oriundo do pulmão. Sua emissão é independente de outro fonema, por isso constitui a base da sílaba.
Os sons das vogais produzem-se a partir do diferentes posicionamentos dos músculos da boca, constituídos pela língua, pelos lábios e pelo véu palatino, formando o seguinte quadro:
a) modificação do véu palatino:
·         vogais orais: a corrente de ar vibrante passa pela cavidade bucal, formando sete fonemas vocálicos orais: i, e, é, a, ó, o, u (fica, veja, vela, pá, bola, coma, pula).
·         vogais nasais: corrente de ar vibrante passa pelas cavidades bucal e nasal, formando cinco fonemas vocálicos nasais: linda, tenta, banda, onda, fundo.
b) elevação da língua na região do céu da boca:
·         vogais anteriores: emitidas com abertura média da boca (linda, fica, tenta, vela, veja).
·         vogais centrais: emitidas com abertura total da boca (banda, pá).
·         vogais posteriores: emitidas com abertura inferior a 50% da boca (fundo, pula, onda, bola, coma).
Essa abertura da boca também estará relacionada à consoante que segue a vocal, por isso a pronúncia precisa ser casada entre posição de abertura da vogal e da consoante.
c) elevação da parte mais alta da língua:
·         vogais altas: máxima elevação da língua para o céu da boca (fica, linda, pula, fundo).
·         vogais médias: a elevação é média (veja, tenta, vela, coma, tonta, bola).
·         vogais baixas: a elevação é mínima (pá, banda).
As consoantes são fonemas produzidos através da obstrução do ar proveniente do pulmão, precisando de uma vogal para ser emitidos. Esses obstáculos podem ser totais ou parciais, a partir da posição da língua e dos lábios.
As consoantes apresentam quatro critérios de classificação:
·         modo de articulação: responsável pela identificação do obstáculo que ocorre durante a passagem do ar pela boca.
Se a corrente de ar encontrar um obstáculo total, essas consoantes serão classificadas comooclusivas (p, b, t, d, k e g).
Se o obstáculo for parcial, as consoantes serão chamadas constritivas (compressão), podendo ser fricativas (fricção do ar através de uma fenda no meio da boca), laterais (o ar sai pelos lados da boca) e vibrantes (quando ocorre a vibração da língua ou do véu palatal).
A classificação das consoantes constritivas ocorre da seguinte maneira:
- constritivas fricativas: f, v, s, z, x, j;
- constritivas laterais: l, lh;
- constritivas vibrantes: r, rr
·         ponto de articulação: identifica em qual ponto da cavidade bucal localiza-se o obstáculo para a passagem do ar.
O ponto de articulação classifica-se em consoantes bilabiais (contato entre os lábios superior e inferior), labiodentais (o lábio inferior tem contato com os dentes incisivos superiores),linguodentais (contato entre a língua e a face interna dos dentes incisivos superiores),alveolares (contato da língua com os alvéolos dos dentes incisivos superiores), palatais (o dorso da língua toca o céu da boca) e velares (parte posterior da língua tem contato com o véu palatino).
Essa classificação permite a seguinte divisão das consoantes quanto ao ponto de articulação:
- bilabiais: p, b, m;
- labiodentais: f, v;
- linguodentais: t, d, n;
- alveolares - s, z, l, r;
- palatais: x, j, lh, nh;
- velares: k, g, rr.
·         papel das cordas vocais: permite observar se ocorre ou não vibração das cordas vocais. Quando ocorrer a vibração a consoante é chamada de sonora, já quando não ocorre, ela é chamada de surda.
As consoantes surdas e sonoras da língua portuguesa podem ser divididas em seis pares:
SURDAS
SONORAS
p
t
k
f
s
x
b
d
g
v
z
j
·         papel das cavidades bucal e nasal: verifica se a passagem do ar ocorre somente pela cavidade bucal ou se passa pela cavidade nasal.
De acordo com a passagem do ar as consoantes são classificadas em orais ou nasais. As consoantes nasais da língua portuguesa são três (m, n, nh), todas as demais são orais.
Já as semivogais sempre acompanham um vogal, formando sílaba com ela. Na língua escrita as semivogais são representadas pelo "i" e "u", podendo em alguns casos serem representadas pelo "e" e "o".
Deve-se observar também que a é sempre vogal e se estiver acompanhada de outra vogal na mesma sílaba, esta será semivogal.

 

a) Conceituando sílaba

Sílaba é um conjunto de sons que pode ser formado por apenas um fonema ou por um grupo de fonemas emitidos numa só expiração, em nossa língua o núcleo da sílaba é sempre uma vogal.

 

b) Estrutura da sílaba

Para que exista uma sílaba algumas condições obrigariamente devem existir:
b.1 - Na sílaba existe necessariamente uma vogal, que se junta ou não a uma semivogal ou uma consoante, exemplos: CA-DEI-RA , MA-LA, PRE-FEI-TO
b.2 - A base de uma sílaba é uma vogal, que pode ficar sozinha em uma sílaba, exemplos: A-MOR , SA-Ú-DE, A-ÇA-Í
b.3 - Em cada sílaba há somente uma vogal, logo em uma palavra o número de sílabas é o número de vogais, exemplos: A-MOR (duas vogais, duas sílabas), SA-Ú-DE (três vogais, três sílabas, AA-Í (três vogais, três sílabas).

 

c) Classificação das palavras quanto ao número de sílabas

Conforme o número de sílabas, as palavras são classificadas em:
c.1 - MONOSSÍLABAS
São as palavras que possuem apenas uma sílaba, exemplo: pó, pé, mal, mão, mãe
c.2 - DISSÍLABAS
São as palavras que possuem duas sílabas, exemplo: ca-sa, ca-ma, car-ro
c.3 - TRISSÍLABAS
São as palavras que possuem três sílabas, exemplo: pa-le-tó, ma-ca-co, sa-í-da
c.4 - POLISSÍLABAS
São as palavras que possuem quatro ou mais sílabas, exemplo: car-to-li-na, gra-vi-o-la

 

d) Classificação da sílaba quanto à intensidade

Quanto à intensidade a sílaba pode ser:
d.1 - TÔNICA
É a sílaba mais forte de uma palavra. Só existe uma sílaba tônica em cada palavra, exemplo: ce-lu-lar, li-vro, me-sa, a-mor
d.2 - ÁTONA
Todas as outras sílabas que não são tônicas são denominadas de átonas, ce-lu-lar, li-vro,me-sa, a-mor
d.3 - SUBTÔNICA
É a sílaba de intensidade intermediária, nem tão intensa como a tônica, nem tão fraca como a átona. Geralmente ocorre nas palavras derivadas, correspondendo à tônica da palavra primitiva, exemplo: ca - cafezinho.

 

e) Classificação das palavras quanto à tonicidade

Quanto à tonicidade as palavras podem ser:
e.1 - OXÍTONAS
São as palavras cuja sílaba tônica é a última, exemplo: fu-zil, co-ra-ção, ba-lão, ci-,ca-lor
e.2 - PAROXÍTONAS
São as palavras cuja sílaba tônica é a penúltima, exemplo: ca-sa, ca-ma, car-ro, es-ca-da
e.3 - PROPAROXÍTONAS
São as palavras cuja sílaba tônica é a antepenúltima, exemplo: ár-vo-re, e-xér-ci-to, o-xí-to-na

 

a) Conceituando Encontro Consonantal

O encontro consonantal é a sequência de duas ou mais consoantes, sem vogal intermediária, que não sejam dígrafo. Esse encontro pode ocorrer na mesma sílaba ou não (carpete, bíblia).

 

b) Tipos de Encontro Consonantal

Há três tipos de encontros consonantais:

 

b.1 Encontro Consonantal Puro ou Próprio ou Perfeito

É agrupamento de consoantes, lado a lado, na mesmo sílaba (inseparáveis), geralmente terminados em L ou R, exemplo: BRA-SIL, PLA-NE-TA, A-DRE-NA-LI-NA, CRES-CI-MEN-TO

 

b.2 Encontro Consonantal Disjunto, Impróprio ou Imperfeito

É o agrupamento de consoantes, lado a lado, em sílabas diferentes, exemplo: AP-TO, CAC-TO, AS-PEC-TO, OB-JE-TI-VO

 

b.3 Encontro Consonantal Misto

Agrupamentos consonantais que misturam os dois modos descritos, exemplo: FIL-TRO, DIS-PLI-CEN-TE, DES-TRO

a) Conceituando Dígrafo
Dígrafo é o agrupamento de duas letras (di = dois + grafos = letra) com apenas um só fonema.

b) Tipos de Dígrafos
Os Dígrafos classificam-se em:

b.1 Dígrafos consonantais

DÍGRAFO
EXEMPLO
LH
OLHO, FILHO
NH
SONHO, MANHÃ
CH
CHAVE, CHAPÉU
RR
CARRO, SERRA
SS
OSSO, MASSA
QU
QUEIJO, QUEBRAR
GU
SANGUE, GUERRA
SC
NASCER, NASCIMENTO
DESÇO, NASÇO
XC
EXCEÇÃO

b.2 Dígrafo Vocálico

Também chamado de ressôo nasal, acontece quando a letra M e N funcionam como nasalizador.
FONEMA
DÍGRAFOS
EXEMPLOS
Ã
AM
CAMPO
AN
CANTOR
E
EM
MEMBRO
EN
LENDA
I
IM
LIMBO
IN
LINDO
O
OM
BOMBOM
ON
CONTO
U
UM
BUMBUM
UN
CORCUNDA

b.3 Encontro Consonantal Misto
Agrupamentos consonantais que misturam os dois modos descritos, exemplo: FIL-TRO, DIS-PLI-CEN-TE, DES-TRO

Vamos conhecer as principais regras de separação silábica.

a) Não se separam os ditongos e tritongos
lei-te, cai-xa, pa-ra-guai, lín-gua, te-sou-ro

b) Separam-se os hiatos:
sa-í-da, vo-o, co-or-de-nar, sa-a-ra, ru-í-do

c) Separam-se grupos formados por ditongo decrescente + vogal (aia, eia, oia, uia, aie, eie, oie, uie, aio, eio, oio, uio, uiu)
prai-a, tei-a, sa-bo-rei-e, es-tei-o, joi-a, con-lui-o, tui-ui-ú

d) Separam-se os dígrafos RR, SS, SC, SÇ e XC
car-ro, os-so, re-nas-cer, nas-ça, ex-ce-der

e) Não se separam os dígrafos ch, lh, nh, qu, gu
ra-i-nha, que-ri-do, chu-va, fi-lho

f) Não se Separam os encontros consonantais puros ou próprio
bri-lho, a-tlas, pá-tria, tra-tor

g) Separam-se as letras r e s dos prefixos quando a palavra a que eles se ligam começam por vogal.
su-pe-ra-bun-dan-te, bi-sa-vô, porém: su-per-mer-ca-do, bis-ne-to

h) Separa-se a letra b do prefixo sub quando a palavra a que ele se liga começa por vogal
su-ba-é-reo, su-bo-fi-ci-al porém sub-se-ção, sub-te-nen-te
Observação 1: na palavra sublinhar, sub está seguido da consoante I. Há uma tendência a pronuncia bl, tendência essa que leva a pessoa a não separar o grupo, o que é errado, pois l é consoante. A separação ficaria assim: SUB-LI-NHAR
Observação 2: em sublime (e derivado) sub não é prefixo, pertence ao radical da palavra. A separação correta é: SU-BLI-ME, SU-BLI-MAR
Observação 3: A palavra Abrupto separa-se da seguinte forma: AB-RUP-TO

i) Não há sílaba sem vogal. Portanto, os grupos consonatais no início da palavra não podem ser separados.
ex.: pneu-má-ti-co, psi-có-lo-go, felds-pa-to
Na língua portuguesa, a divisão das sílabas deve ser feita a partir da soletração, usando o hífen para marcar as sílabas (con-ver-sí-vel).
Para a separação silábica correta devem-se observar as seguintes regras:
·         os ditongos e tritongos não podem ser separados (Pa-ra-guai, Ro-gé-rio, au-la);
·         os hiatos têm as vogais separadas (a-é-re-o);
·         os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu não são separados (cho-ca-lho);
·         os dígrafos ss, rr, sc, sç e xc são separados (pás-sa-ro, nas-cer, cor-ri-da);
·         as vogais idênticas e os grupos consonantais cc e cç são separados (co-or-de-na-dor, in-te-lec-ção);
·         os encontros consonantais ocorridos em sílabas internas diferentes são separados (em-pre-gar);
·         grupos consonantais que ocorrem no início dos vocábulos são inseparáveis: psi-co-se, dra-ma, pneu-mo-ni-a.

Agora vamos aprender brincando e brincar aprendendo
http://www.soportugues.com.br/secoes/jogos/jogo.php?jogo=4










fonte:
soportugues.com.br
pciconcursos.com.br

http://www.escolakids.com/